O rechaço à candidatura de Safatle a governador de São Paulo é um atentado contra o PSOL!

Para quem não sabe a decisão unilateral do grupo do deputado Ivan Valente no PSOL de considerar retirada a candidatura de Safatle ao governo do estado não foi apenas unilateral, mas mais um atentando brutal a dmocracia interna do partido. Segue abaixo nota d mmbros do Diretório Estadual do PSOL que se colocaram contra a decisão pragmática e burocrática do grupo do deputado Ivan Valente.

A posição do Safatle também pod ser lida aqui.

Carta à Direção Nacional, aos militantes e filiados ao PSOL

Nós, membros titulares e suplentes do Diretório Estadual do PSOL-SP que assinamos esta carta, nos dirigimos à Direção Nacional do partido e, em particular, à base do PSOL, seus militantes e filiados em todo o país por conta das lamentáveis e irresponsáveis decisões da maioria da direção do partido (Unidade Socialista) tomadas neste domingo em reunião do DE-PSOL.

As manifestações de junho abriram um enorme espaço para a participação política e para a ida às ruas de milhões de pessoas em nosso Estado e em nosso país. O rechaço aos governos e aos velhos partidos trouxe a retomada das mobilizações e a entrada em cena da juventude, dos movimentos sociais e de trabalhadores. As mobilizações do último dia 15 de maio, com participação massiva do MTST em cortes de avenidas em São Paulo, as greves de garis no Rio e em várias cidades do Brasil, rodoviários de Porto Alegre e Rio, e dos professores de São Paulo neste ano mostram que nunca houve tantas possibilidades para que uma esquerda que não teme dizer seu nome dispute influência de massas em nosso país.

Nesse cenário, a filiação do companheiro Vladimir Safatle ao PSOL encheu de orgulho e entusiasmo a militância do partido não apenas em São Paulo, mas em todo o país. Sua defesa, nos debates públicos na imprensa ou na academia, do programa apresentado pelo povo e pela juventude em luta nas ruas de junho mostrou para um setor amplo, muito maior do que aquele que já se referenciava em nosso partido, que o PSOL poderia superar as desconfianças com a forma partido e se referenciar como um polo para disputar o poder no Estado mais rico do país. Em São Paulo, o domínio tucano nunca esteve tão ameaçado, como comprovam a crise da água e os escândalos no Metrô e na CPTM. Ao mesmo tempo, a forte greve dos professores municipais contra Haddad, somada às revelações do caso Vargas/Youssef que tocam diretamente Padilha, revela a impossibilidade de que o PT seja qualquer alternativa a este cenário.

Por isto, desde fins de 2013, muitos de nós temos nos dedicado com afinco para que Vladimir Safatle representasse o PSOL na eleição a governador de São Paulo. A constatação de que esta candidatura poderia ocupar o enorme espaço aberto à esquerda parecia ser unânime no partido, o que trazia grande alento para a militância, já que vínhamos num desgastante processo de cisão interna desde o último Congresso do PSOL. Para viabilizar a candidatura, trabalhamos com Safatle na construção dos seminários “Governar após Junho” e estimulamos o debate sobre a construção de uma Frente das Esquerdas que pudesse unificar as diversas expressões políticas e sociais de junho ao redor desta candidatura.

O companheiro Vladimir Safatle, recém-filiado ao PSOL, expressou ao partido a necessidade legítima de garantir as melhores condições possíveis para que pudéssemos ocupar o espaço que todos víamos aberto. Por isto, muitos de nós trabalhamos arduamente nas últimas semanas na esperança de convencer a maioria da direção do partido, ligada a Ivan Valente, a ter sensibilidade política com as questões apresentadas por Safatle e dar passos reais para viabilizar: 1) a Frente de Esquerda, a partir de discussões nas quais o PSTU apresentava boas sinalizações; e 2) garantir a estrutura de campanha mínima necessária para que Safatle e o PSOL pudessem disputar a eleição com as melhores condições.

Para nossa surpresa, infelizmente, antes de que as duas questões acima fossem solucionadas, a maioria da direção do partido, a Unidade Socialista, deu um ultimato a Safatle, exigindo que ele se declarasse publicamente como candidato ou desistisse de qualquer postulação. Na sequência, organizaram a convocação do Diretório Estadual para este domingo 18/05, que fecharia a questão sobre a candidatura a governador. Além disso, redigiram uma carta onde explicavam por que Safatle não seria mais candidato. Aos dirigentes partidários que questionaram tais decisões e o método impositivo e antidemocrático como o processo foi conduzido, a Unidade Socialista replicava que Safatle teria “desistido” da candidatura por motivos pessoais e a insatisfação com as condições propostas.

Ao entrar em contato com o companheiro, porém, ouvimos a reafirmação de sua intenção de ser candidato. Safatle insistiu que, garantidas as duas questões pendentes, sua disposição era a de assumir de imediato a candidatura. No sábado, Safatle divulgou uma carta ao PSOL em que descreve detalhadamente este processo e mostra que, apesar da incapacidade política da direção do partido (Unidade Socialista) em solucionar o impasse, seguia disposto a assumir a candidatura. Um grupo de apoiadores colocou-se à disposição para contribuir financeiramente e o PSTU também sinalizou favoravelmente a encontrar saídas para a garantia da campanha e da Frente. Estavam criadas as condições para que, na reunião do Diretório Estadual deste domingo, Safatle fosse proclamado pré-candidato do PSOL a ser referendado em nossa Convenção.

No entanto, incrivelmente, a Unidade Socialista, em nome do partido, declarou encerradas as discussões com Safatle. Ao mesmo tempo, divulgou nota interna anunciando que Gilberto Maringoni seria seu pré-candidato e passou a afirmar com calúnias que a “desistência” de Safatle era ligada ao fato de que ele não se satisfazia com as condições financeiras propostas e que não estaria disposto, portanto, a “contribuir” com o partido. Esta posição, uma verdadeira provocação, foi repetida de maneira ainda mais grave na reunião do DE-PSOL deste domingo pelo dirigente Márcio Bento (do grupo de Ivan Valente), ao afirmar que Safatle teria promovido “um leilão” e que, não tendo conseguido obter a “quantia suficiente”, teria desistido da candidatura. O mesmo Márcio Bento, incrivelmente, foi o dirigente partidário que procurou apoiadores dispostos a contribuir financeiramente com a campanha de Safatle para que doassem recursos à campanha de Maringoni! Um verdadeiro acinte!

A reunião do Diretório Estadual foi um lamentável exemplo do aparatismo, da falta de democracia, da irresponsabilidade e da incapacidade política com que a Unidade Socialista lidou com a candidatura de Safatle e com a condução do PSOL no Estado de São Paulo. A proposta que levamos à reunião era de que, divulgada a carta de Safatle reafirmando sua disposição em ser candidato, fosse constituída uma comissão encabeçada pelo presidente do partido e representativa das diversas correntes partidárias, para reunir-se com Safatle, repactuar com ele as condições de sua candidatura e organizar o anúncio da candidatura de Safatle ao governo.

De maneira truculenta, a proposta foi rechaçada e Gilberto Maringoni foi votado pelo organismo como pré-candidato do PSOL ao governo de São Paulo! Não aceitaram sequer a proposta de suspender a reunião por 10 minutos na tentativa de construir uma resolução que permitisse superar o impasse e encaminhar uma última conversa com Safatle. O presidente do partido, Paulo Búfalo, levou o pedido de suspensão de 10 minutos a voto e derrotou a proposta.

Para nós, os acontecimentos do dia de hoje trazem profunda indignação. Uma figura como Vladimir Safatle entusiasmou-se com nosso partido após junho, dispôs-se a fazer uma experiência com o PSOL e a encabeçar um projeto de mudanças profundas em São Paulo. E qual a escolha do setor ligado a Ivan Valente? Virar as costas a Safatle e jogar no lixo a possibilidade de ampliar a interlocução do PSOL com os movimentos sociais, a intelectualidade e também nas eleições. Como poderão explicar, agora, para milhares de jovens, de ativistas e de trabalhadores entusiasmados com as posições de Safatle que, no sábado, ele escreveu uma carta reafirmando sua disposição de ser candidato e, no domingo, a maioria da Direção Estadual rechaçou sua candidatura e escolheu Gilberto Maringoni pré-candidato?

A forma como a discussão foi encaminhada revela a aversão da Unidade Socialista à ampliação do PSOL para além dos limites que sua máquina burocrática possa controlar: não admitem a hipótese de uma candidatura ao governo do Estado de Safatle, envolvendo uma coordenação de campanha ampla, representativa, e a presença de aliados numa Frente das Esquerdas com outras organizações políticas e sociais. Para assegurar o controle do partido e a reprodução estrita de seu aparato, vale, para eles, sabotar o próprio PSOL. Esta escolha terá repercussões não apenas locais, mas afetará certamente a possibilidade de que o partido amplie suas bancadas, além de prejudicar o desempenho nacional do PSOL em 2014. Ao mesmo tempo, este setor mostra seu rechaço ao perfil programático e político que Vladimir Safatle oferecia com sua candidatura: um partido conectado com as lutas em curso e capaz de oferecer o PSOL como alternativa aos projetos de tucanos e petistas.

Para nós, no entanto, estas discussões não estão encerradas. Não reconhecemos a votação do Diretório Estadual que apontou Gilberto Maringoni como pré-candidato ao governo de São Paulo. A única escolha que aceitamos, neste momento, é a pré-candidatura de Vladimir Safatle, que ao longo dos últimos meses veio sendo construída pelo conjunto do PSOL e recebeu enorme entusiasmo de sua militância. Caso Safatle, após o lamentável tratamento que recebeu e das autoritárias deliberações impostas ao PSOL-SP pelo setor majoritário de sua direção, não seja nosso candidato, exigiremos que a decisão seja remetida, como determina nosso estatuto, à Convenção Estadual do PSOL.

Fazemos um apelo à Direção Nacional do PSOL: é preciso uma reunião de urgência entre as Executivas Nacional e Estadual do partido que reverta esta absurda situação. Ao mesmo tempo, nos dirigimos à base de nosso partido: não podemos admitir este gravíssimo atentado ao PSOL. Nosso partido não tem dono! É papel de cada uma e de cada um de nós nos mobilizar para derrotar o aparatismo, o autoritarismo e a submissão do PSOL aos interesses mesquinhos do setor majoritário da Direção Estadual de São Paulo.

Assinam:

Mariana Riscali, Maurício Costa, Thiago Aguiar, Cibele Ferreira, Vanessa Koetz, Manuel Iraola, Alexsandro de Castro Costa, Bruna Ballaroti, Carolina Barbosa Figueiredo Filho, Fernanda Lisboa Pereira, Antônio de Souza Ormundo, Claudia Martinho, Ederaldo Batista, Wanda, Pedro Paulo Vieira Carvalho, Dimitri Silveira.

Membros Titulares e Suplentes do Diretório Estadual do PSOL.

O nome da Rosa

Aqui jaz
Rosa de Luxemburgo
Judia da Polônia
Vanguarda dos operários alemães
Morta por ordem
Dos opressores.
Oprimidos,
Enterrai as vossas desavenças!” (BRECHT, Bertold. Epitáfio)

Este texto era para ter sido publicado no dia 5 de fevereiro quando a minha Rosa fez 5 anos. Porém eu não consegui sentar para escrever, mas a ideia que eu tinha naquele momento também se enquandra neste dia em que uma das Rosas que dá nome a ela foi assassinada. Fazem 95 anos que Rosa Luxemburgo foi assassinada pela social-democracia alemã, aka reformismo.

Quando Luana estava escolhendo o nome da Rosa, um dia sentou comigo e falou: pensei em Rosa. É simples, fácil de aprender, fácil de escrever, e ela vai saber rápido falar de si mesma. Além disso, quero homenagear a Rosa Luxemburgo. (AMORIM, Paloma Franca. Cuba e as imagens)

Lembro de quando descobri que estava grávida. Sai do consultório e liguei do orelhão para meus dois grandes amigos, ambos viriam a ser os padrinhos da menina. Chorava de felicidade, sabia que seria difícil, mas não tinha medo.

Rosa foi um nom pensado em conjunto com um ex-amigo. Ele era gaúcho e morou por um tempo em São Paulo, acompanhou quase toda a minha gravidez. Foi esse rapaz com o qual não falo mais que sugeriu que a Rosa se chamasse Rosa. Lembro que havia falado que gostaria de um nome simples, fácil de aprender a falar e escrever e que tivess um significado forte. Veio Rosa.

Neste mês se completam 95 anos do brutal assassinato da comunista polonesa Rosa Luxemburgo. Ela foi uma combatente de primeira hora contra o revisionismo teórico que irrompeu no interior da social-democracia alemã. Condenou duramente o oportunismo de direita que ganhava corpo nas direções dos sindicatos alemães, e defendeu a experiência da revolução russa de 1905, especialmente o uso da greve geral como instrumento importante na luta revolucionária. Quando se iniciou a Primeira Grande Guerra Mundial e ocorreu a traição da maioria dos dirigentes da II Internacional, Rosa se colocou ao lado de Lênin contra a guerra imperialista e na defesa da revolução socialista. Foi fundadora do grupo spartakista que daria origem ao Partido Comunista da Alemanha. Após sua trágica morte, Lênin fez uma pungente homenagem à águia polonesa, heroína do proletariado mundial, no discurso de abertura do congresso de fundação da III Internacional. (BUONICORE, Augusto. Rosa Luxemburgo: A Rosa Vermelha do Socialismo)

Foi a necessidade que tinha de mostrar para a minha filha que antes dela nascer existiram mulheres que lutavam e construíram movimentos para emancipar a toda classe trabalhadora e dentre destes os mais marginalizados que ela leva em seu nome uma homenagem a duas grandes Rosas: Luxemburgo e Parks.

Macacos e vadias são a mesma premissa de ressignificação?

“A falsa abolição fez vários estragos
Fez acreditarem em racismo ao contrário
Num cenário de estações rumo ao calvário
Heróis brancos, destruidores de quilombos
Usurpadores de sonhos, seguem reinando” (GOG. Carta à mãe Àfrica)

Ontem havia dado alguns pitacos sobre #SomosTodos Macacos, não chamarei de campanha e nem de movimento por que não se trata disso, se trata de campanha de marketing e apenas isso. E acho que identificar essa questão é fundamental. A movimentação gerou bastante discussão pelas redes sociais, e com algumas reflexões interessantes sobre o que seria um processo de ressignificação do termo “Macaco”.

Pois bem, estamos às vésperas da “Marcha das Vadias” e esse foi um exemplo bem concreto que vi colocarem neste debate sobre #SomosTodosMacacos. A “Marcha das Vadias” é um movimento contestatório muito importante e se utiliza da ressignificação do termo “Vadia” para pautar que todas as mulheres (negras, brancas, índigenas, mulçumanas e afins) são vítimas de violência sexual, independente do lugar, da roupa e da profissão. Ou seja, o termo “Vadia” universaliza a justificativa para a violência contra todas as mulheres que saem do “padrão” colocado em uma sociedade patriarcal.

Marchamos contra o racismo porque durante séculos nós, mulheres negras, fomos estupradas e, hoje, empregadas domésticas são violentadas, assim como eram as mucamas. Marchamos pelas crianças negras que são hostilizadas pela cor de sua pele, por seus cabelos crespos e são levadas a negar suas identidades negras desde a infância, impelidas a aderir ao padrão de beleza racista vigente. Marchamos porque nossa sociedade racista prega que as mulheres negras são “putas” por serem negras, tratando-nos como mulas, mulatas e objetos de diversão, desprovidas de dor e pudor. Marchamos porque nós negras vivenciamos desprezo e desafeto reduzindo nossas possibilidades afetivas; “Vadia” enquanto estigma recai especialmente sobre nós negras, por isto marchamos em repúdio a esta classificação preconceituosa e discriminatória de nosso pertencimento étnico-racial. (Carta Manifesto da Marcha das Vadias/DF 2012)

Acho que esta é uma primeira dimensão necessária para entendermos o debate colocado desde domingo. Ontem quando publiquei o post “Macaco não é elogio” era justamente para conseguirmos ter a dimensão do que significou a diferenciação biologista entre europeus e outros povos massacrados por eles. E essa questão é importante, por que se em qualquer lugar do mundo termos parecidos com “Vadia” são usados para justificar toda uma cultura do estupro globalmente e a resignificação foi cunhada pelo próprio sujeito da opressão patriarcal, o mesmo não acontece com o termo “Macaco”.

Não acontece com “Macaco” pelo fato de que este termo na verdade subjulga toda uma gama de pessoas negras, índigenas, mulçumanos, latinas  afins aos europeus, porém quem cunha a tentativa de ressignificação não são os sujeitos dessa opressão. Negros, indígenas, mulçumanos e afins não reivindicação deste setor social para problematizar uma relação de opressão real existente no Brasil e no mundo.

E pra mim isso é algo fundamental. Esse termo foi usado ao longo dos séculos para justificar massacres e genocídio de populações diversas que eram reconhecidas como selvagens pelos europeus e hoje é apresentado como uma outra roupagem pelos mesmos que estiveram nos caçando nas florestas e açoitando no pelourinho.

E aí é importante localizar uma coisa: Essa pretensa campanha se utiliza de forma oportunista de uma resposta importante dada por Daniel Alves no domingo.

Quando uma grande parcela de pessoas brancas se identifica como “macacos”, infelizmente o sentido racista ressoa na expressão, e é como se essas pessoas estivessem dizendo que, num gesto de solidariedade, estão se identificando como negros (e não genericamente como seres humanos). Ou seja, por mais bem-intencionada que seja, a pessoa que diz “sou macaco”, nesse contexto em que se discute o racismo, está sem querer dizendo que negro e macaco se equivalem e que macaco não abrange semanticamente o branco. (LEITE, Thiago. Macacos)

A problematização sobre quem é sujeito e tem capacidade para ressignificações levando em conta o peso social e político que esse processo tem são os sujeitos da opressão. Isso é outro ponto fundamental, a desconstrução deve ser feita por seus sujeitos e não por seus opressores.

Não somos todas travecos. Não somos todos macacos. Não somos todos boiolas. Não somos todas vadias. Não posso pretender subverter o uso de um termo que nunca foi usado de forma violenta contra mim. Mas posso estar aberta a participar na luta contra cada um desses preconceitos sem tentar ocultar as vozes dos verdadeiros protagonistas. (MAGALHÃES, Camilla. Postado no Facebook)

É preciso também compreender a profundidade política da discussão. O processo de apropriação e cooptação de pautas por parte do capital e de suas bases estruturantes não é algo novo. Na verdade vai se reinventando para conseguir estabelecer um limiar de que temas realmente nefrálgicos para a classe trabalhadora e os setores mais marginalizados dessa classe trabalhadora tem alguma relevância. O outro caso que ocorreu no domingo também demonstra bem isso. A homenagem acéptica feita no programa “Esquenta” a mais uma vítima da violência militarizada do estado.

Eram os nossos que deveriam estar ali. Onde estão os intelectuais e ativistas negros para falar sobre o genocídio de seus jovens?? Onde estão as referências que inspiraram o menino Douglas para começar a dançar?? Onde está o espaço privilegiado para o desabafo da mãe, a presença dos amigos e a vida do jovem antes e fora do Esquenta?!?!? Nada disso estava ali, nós não estamos, nem nunca estivemos ali. Não se enganem!!!! (ASSIS, Mariana. Não se enganem!!)

Essa localização de qual foi o legado que nos trouxe até aqui. Em um processo que acirra a xenofobia/racismo na Europa. Que tenta invisibilizar a morte de negrxs e índigenas em um processo de reorganização social no Brasil que passa pela garantia da expropriação de terras índigenas e quilombolas para garantir o desenvolvimnto do agronegócio, onde a justificativa para intervenção militar nas favelas cariocas é uma pretensa guerra às drogas que, inclusive, tem sido alvo de críticas nos EUA, país onde a política foi originada.

É neste caldo político, nesse moedor de carne negra e índigena que este debate sobre ressignificação está inserido. Não é algo fora da realidade, não é algo alijado do debate de conjuntura que vivemos hoje no Brasil e no mundo. E também não é uma posição defensiva, pois há uma ofensiva real da população a questionar as ações racistas contundentes do estado brasileiro. A resposta ao combate ao racismo, machismo e homolesbotransfobiaserá dada pelas ruas, de forma contundente reivindicando que nossa vida seja garantida e não apenas uma ação de marketing para encher os bolsos daqueles que ajudam a manter a nossa opressão.

Macaco não é elogio

A polêmica instaurada sobre a “campanha” #SomosTodosMacacos necessita uma boa localização. Primeiro por que tenho visto gente problematizando com isso resignificações com termos como queer, vadia e afins que foram resignificações fruto de movimento contestatórios importantes.

Essa diferenciação é importante pelo fato de que a utilização e apropriação do termo macaco para se referir a população negra é feita justamente para estabelecer que há uma diferença evolutiva entre negrxs e brancxs. Essa dita diferença foi usada em diversos momentos da história mundial para o desencadeamento de processos de genocídio profundos, e até hoje estes processos existem.

Ota foi levado do Congo para Nova York e sua exibição em um zoológico americano serviu como um exemplo do quê os cientistas daquela época provlamaram ser uma raça evolucionária inferior ao ser humano. A história do jovem Ota srviu para inflamar as crenças sobre a suprmacia ariana defendida por Adolf Hitler. Sua história é contada no documentário “The Human Zoo” (O Zoológico Humano). (Por que comparar negros a macacos não é motivo de piada)

Foi se baseando nessa falsa ideia de evolucionismo que enfrentamos processos de colonização por todo globo terrestre que massacraram populações que não se enquadravam em um padrão europeu de civilização e de estética. É disso que advém o processo de genocídio indígena e negro no Brasil. Essa base de que alguns são mais humanos do que outros, mais evoluídos do outros ajuda a sustentar um tipo de Estado excludente, que marginaliza e mata a maior parte da nossa população.

Os horrores do nazismo acabaram com o namorico da ciência mainstream com o racismo biológico. O genocídio de Adolf Hitler, apoiado de bom grado por cientistas e médicos alemães, mostrou que a má aplicação da ciência pode acabar.

Isso deixou o racismo científico nas mãos de grupos de extrema direita que estavam muito dispostos a ignorar as descobertas da biologia evolutiva do pós-guerra em favor de suas variantes pré-guerra. (BRADLEY, James. O insulto macaco: uma breve história de uma ideia racista)

O rechaço a violência sofrida por Daniel Alves ontem durante a final do Campeonato Espanhol revela o quanto há um espaço para se debater seriamente o racismo no país, porém ao mesmo tempo revela o quanto não olhamos para como o racismo se estruturou na sociedade ao longo dos séculos. Não #SomosTodosMacacos pelo simples fato que isso reverbera uma lógica ancestral de que há um setor na nossa sociedade mais evoluído do que o outro.

O acontecido com Alves no final de semana em nada se difere com os xingamentos e exclusão racista existente em nosso país ou quem não lembra do comediante Danilo Gentili oferencendo bananas para terminar uma discussão sobre racismo no twitter?

Além do mais é preciso compreender que em toda essa discussão também há um forte recorte de classe. Primeiro por que em nenhum dos outros casos veiculados neste ano sobre racismo no futebol vimos tanta solidariedade das figuras que se solidarizaram com Alves. Assim como não vemos estas mesmas pessoas localizarem o quanto a estrutura em que se baseia xingar o outro de macaco ajuda no processo de genocídio da nossa população no Brasil, hoje tendo como maior exemplo a intervenção militar no Rio de Janeiro.

Padrões: Sorrisos, medo e estagnação

Tem aqueles momentos que o mundo para, estagna e mesmo as coisas simples da vida que cotidianamente achávamos o máximo apreciar se tornam cinza. Estou em um desses momentos, onde acho tudo uma grande caganeira eterna e que a vida não irá seguir.  Se há um tempo eu achava a minha rotina a coisa mais maravilhosa do mundo, não é que a vida está uma merda, ela simplesmente está parada.

Dia desses assistia algum episódio antigo de “Sex and The City”, sim sou uma dessas pré-balzacas que assistem “Sex and The City” e fica tentando se identificar em algum padrão comportamental. Em resumo, sou completamente maluca mesmo. Pois bem, lá estava eu prostrada em cima do sofá assistindo um episódio que falava justamente sobre padrões e lá fui eu cair em uma eterna discussão de relacionamento comigo mesma.

É óbvio que pelo fato de estar há duas semanas em uma discussão de relacionamento eterna comigo mesma eu cai na cilada maior de ir chafurdar qual seria o meu padrão de relacionamento. Aqui cabe uma explicação, sou uma daquelas mulheres que gosta da vida provinciana tradicional, gosto de chegar em casa encontrar com a minha filha, receber uma ligação e saber que o/a namorado/a está indo pra casa jantar. Pois bem, o meu padrão de relacionamento é o de ter medo de relacionamentos. Se eu já sabia disso? Sim, sabia.

Tenho uma teoria de que nasci afetivamente quebrada e todas as vezes que há a remota possibilidade de viver algo muito bacana com alguém eu prontamente saboto a história. Isso muitas vezes é visto como não se importar com as pessoas, mas na verdade é só a minha fobia gigante de me relacionar com as pessoas e ter que lidar com possíveis entreveros que existem em uma relação.

Amei 3 pessoas na minha vida toda, o fato deu ter amado 3 pessoas em toda minha vida não quer dizer que não existiram rolos, casinhos e afins. Porém, amor, amor mesmo, de contar as horas para se encontrar, de ficar cantarolando musiquinhas tema, de acordar do lado e ser feliz por tudo que é importante está ali contigo na cama foram só 3 vezes.

A primeira vez que eu amei encontrei a pessoa no lançamento de uma lei de incentivo a produção cultural, era o sorriso mais lindo que eu já tinha visto. Era a primeira vez que percebia alguém se interessar por mim – então, além de ser uma medrosa de marca maior também tenho uma síndrome de patinho feio gigante, não disse que eu era toda quebrada?

Foi a primeira vez que eu me caguei de medo também, lembro o momento em que travei tudo, foi entre uma ligação ou outra e ele virou pra mim e disse: É mais pro namorado a gente conta às coisas. Pronto, naquela hora eu comecei a agir de uma forma a afastar qualquer possibilidade de encontro, apontar indisponibilidades bobas de horário.

A segunda vez que eu amei também começou com um sorriso, era um churrasco e ele veio elogiar o meu sorriso e era um sorriso tão lindo, tão acolhedor. Acordava de manhã e ficava olhando aquele corpo do meu lado, até o dia em que estávamos andando pela Augusta e eu olhei para o céu, a lua estava gigante. Falei para ele olhar e o pequeno virou e disse: Pera, olha pra lá. Tá mais bonito olhar a lua daqui. E quando percebi ele estava observando a lua refletida nos meus olhos, congelei de medo e dali para frente eu comecei a fazer uma série de coisas que ajudaram a história terminar.

Meu terceiro amor, meu Último Romance, também começou com um sorriso, um sorriso em banheiro público, daqueles sorrisos que tu nunca acha que pode dar em alguma coisa, mas surpreendem a cada minuto. Foram tantas coisas ditas e não ditas. Se eu não fosse um lixo, eu casava contigo. O quanto essa sentença ainda pesa, o quanto depois disso comecei a me afastar até culminar no último beijo. Tudo fruto do medo, da insegurança, da dificuldade de entender que dá para confiar e entregar o coração para as pessoas.

E por que isso pra mim é tão importante? Pelo fato de ser algo que ainda não consegui resolver comigo mesma, é o meu padrão de relacionamentos. Dar presentes, ter músicas temas, se sentir plena, mas ao mesmo tempo criar uma couraça onde qualquer manifestação do outro lado de algum carinho maior é necessariamente sinal para ser refratária. Faz um bom tempo que eu não noto mais sorrisos, que não tenho vontade de olhar a lua, ou então ir ao supermercado para preparar alguma coisa diferente para jantar.

Cada um dos meus amores me trouxe algo fundamental para compreender a vida, e inclusive avançar nesse meu combate diuturno do medo que sinto quando percebo as coisas caminharem. Sei que preciso reencontrar o meu eixo e essa é uma das minhas tarefas para o próximo período, preciso reaprender a ser feliz sozinha.

Sabe qual a pior bunda do mundo? Sustentabilidade com grandes pitadas de machismo

Hoje é um daqueles dias em que tu chegas ao trabalho e a única coisa que se quer fazer é adiantar o trabalho e não se deparar com coisas execráveis. Pois bem, quando abri o Chrome a primeira coisa com a qual me deparei foi esta imagem aí.

Bunda

Fui atrás para saber do que se tratava e descobri a página de uma ONG chamada “Rio eu amo, eu cuido” e logo de início já tem uma chamada perguntando: Sabe qual a pior bunda do mundo?

A tal iniciativa é mais uma daquelas coisas do faça a sua parte que o mundo será melhor. No caso a máxima de que “pequenos gestos que estão ao alcance de todos e são capazes de transformar a cidade”.

Minhas questões com movimentos de sustentabilidade ambiental que acabam não questionando a estrutura da sociedade e como o debate ambiental anda de mãos dadas com o debate de superação sistêmica são grandes e acho que no blog “O que você faria se soubesse o que eu sei?” tem coisas melhores sistematizadas sobre as limitações do debate da sustentabilidade por si só.

A campanha foi organizada por Joaquim Monteiro de Carvalho, ele é um dos herdeiros de um dos maiores grupos empresariais do país, o Grupo Monteiro Aranha e também é funcionário da prefeitura do Rio de Janeiro. E por que eu fui atrás de todas essas informações? Por que eu não acho que machismo é algo que brota do nada nas pessoas, acredito que seja socialmente construído e, pra mim, localizar quem é a pessoa que desenvolveu esta campanha misógina é fundamental. Ou seja, trabalhar para o Eduardo Paes nesse momento e ainda ser herdeiro de um grande  grupo empresarial aponta qual o status quo que o rapaz e suas ações se baseiam.

Bem, acontece que o tal movimento sustentável lançou uma campanha para diminuir o número de bitucas de cigarros no chão, praia e afins. O meio em que encontrou para fazer este trabalho não foi o pensar quais ações de políticas públicas que ajudassem a coibir o jogar a bituca de cigarro na rua ou praia. Até por que, desde quando bituca, guimba de cigarro é chamada de bunda?

A estratégia usada por Monteiro de Carvalho e a “Rio eu amo, eu cuido” foi apenas se utilizar de maneira machista do corpo das mulheres para fazer uma piada ruim e que acaba reforçando uma série de paradigmas e esteriótipos que deveriam ser combatidos. Até por que para alguns sustentabilidade não é apenas o catar o cigarro na rua, mas também o lidar com as relações de opressão existentes na sociedade.

Fico pensando, quantas mulheres cis e trans fumam e não serão atingidas pela mensagem? A mensagem não chega, pois a depreciação aparece primeiro, e de qual corpo estamos falando? Qual o padrão? Ora, minha bunda não tem padrão e, acredito, a de nenhuma mulher tem.

No final das contas além de organizar uma campanha machista na “tentativa” de mostrar a necessidade de envolvimento dxs cariocas com a cidade a campanha não ajuda a dialogar. Fora o discursinho “cada um fa zo seu que tudo melhor” que só serve pra desresponsabilizar o poder público da sua tarefa de organizar e apresentar políticas públicas que beneficiem toda população e não apenas uma parcela.

O negro fujão, os “justiceiros” e a perigosa água que vem batendo na nossa bunda

A cada dia mais eu fico barbarizada com o quanto o imaginário coletivo brasileiro é cada vez mais reacionário. Tem circulado por aí uma matéria do Extra sobre um adolescente vítima de “justiceiros” no Rio de Janeiro. O rapaz, negro e pobre, foi atacado por três caras no Flamengo e teve a orelha rasgada por uma faca. Além disso os tais “justiceiros” o prenderam com uma trava mul t lock a um poste pelo pescoço. Uma cena que remonta os escravos no século XIX.

Grupo de extermínio não é uma novidade no Brasil. Nos anos 80 haviam vários por São Paulo e continuam a existir de formas distintas. Talvez seja a face mais dura do estado penalista, militarista, burguês, racista em todas as suas nuances amis nefastas. É a possibilidade de se organizar grupos de extermínio, seja para dar coça nos marginalizados por praticar furtos, seja por ter uma orientação sexual diferente do convencionado pelo patriarcado, ou uma outra identidade de gênero que não é suportada por conta da transfobia.

Ainda no começo dos anos 90, a polícia prendeu na Paraíba o “justiceiro” João Baiano, acusado de 140 homicídios na região de Santo Amaro, São Paulo. Na mesma ocasião, a lista dos “justiceiros” foi engrossada com a captura de José Ferreira Campos, o Zé Prego, acusado de ter matado mais de 30 pessoas nos bairros de Parque Santo Antônio, Jardim Taboão e Capão Redondo; e Gildaci Santos Silva e José Wilson Alves, que faziam parte de um grupo da Zona Sul responsável por pelo menos 70 por cento dos homicídios na região desde 1983, segundo a polícia. (FERNANDES, Ademir. Mais de mil já morreram em mãos de justiceiros)

Mata-se, espanca-se, cria-se tribunais de exceção por todo Brasil e boa parte da população brasileira aplaude, aplaude por que a lógica do “bandido bom é bandido morto” nunca foi combatidade realmente, fosse com medidas efetivas de política pública, fosse ideologicamente.

Continuamos tapando o sol com a peneira, continuamos dando pano pra manga pruma sociedade penalista e racista, continuamos financiando uma mentalidade de segurança pública que só pensa no “olhor por olho, dente por dente”. Na morte dos indesejáveis, dos párias, pois incomoda perceber que eles se fazem existir.

A preocupação sobre a criação de mais grupos de extermínio pelo Brasil não é algo banal. No começo do ano foi divulgado que o número de mortes realizadas por PMs durante as folgas aumentou nos últimos anos em São Paulo, foi um aumneto de 50% e isso por si só já é um indício preocupante, ao meu ver.

O “não somos racistas” do Ali Kamel cai por água abaixo a cada dia, hora e minuto. Somos um país racista, somos um país onde se prefere jogar para baixo do tapete os problemas nefrálgicos da sociedade como se fossem a cereja do bolo. Talvez estejamos presenciando a volta de musculatura para o aparato paraestatal dos mais perigosos e no fim, a sanha punitiva e racista só tem um alvo: Nós mesmos.

Sem mais publicações